ADCAPS JOGARÁ SÁBADO PELA A3 DA F.P.F.S.


Nossa escolinha de futsal terá um final de semana recheado de jogos. Como já havia sido noticiado entraremos em quadra no domingo pela Série A3 da F.P.F.S. para enfrentarmos a equipe do 7 de Setembro da Água Rasa.

Na tarde de ontem ficou acordado com a Federação Paulista de Futsal que jogaremos também no sábado, Desta feita com as categorias sub12 e sub14. O Adversário será Discipulos, com início previsto para as 12h50, no Ginásio  Presidente Ciro.

IRMÃOS NO FUTSAL


Leco e Junai são mais um caso de irmãos que jogam futsal. Os dois estão no mesmo time no momento: a Krona/Joinville (SC). Mas nem sempre foi assim. Junai rodou um pouco mais que Leco pelos times. A história deles juntos, começou em 2001, quando, até 2003, jogaram pela equipe multi-campeã Malwee, de Jaraguá do Sul (SC).

Nesse meio tempo Leco continuou na Malwee e depois se mudou para a Krona futsal. Enquanto Junai (além da Malwee), jogou pelo Caxias e pela Intelli, onde se consagrou campeão da Liga Nacional. Um fato muito bacana que já foi um hábito entre eles, eram as apostas.

Uma delas foi na final da Liga Nacional de 2012, onde Junai (Intelli) e Leco (Krona) se enfrentaram. O irmão mais velho venceu, e por isso, Leco pagou 15 cestas básicas que foram doadas.

Hoje os irmãos atuam do mesmo lado, pela equipe de Joinville e nos contaram quem foram suas inspirações no esporte. “Nunca tivemos um ídolo, preferimos nos espelhar em grandes craques como Manuel Tobias, Falcão, Chico, Xande, James e até o próprio Junai”, disse Leco.

Maior goleada da história da Seleção Brasileira de Futsal


A Maior goleada da história da Seleção Brasileira de Futsal aconteceu em 13 de outubro de 2006. Em uma partida contra a equipe de futebol de salão do Timor Leste, o Brasil fez 76 a 0.

O confronto foi realizado em Macau, na China, pela penúltima rodada dos Jogos da Lusofonia, campeonato dedicado a países que possuem o Português como idioma oficial.

Com menos de dois minutos do início da partida, o placar já estava em 6 a 0. O Brasil obteve uma média de dois gols por minuto no primeiro tempo, fechando em 40 a 0. Na segunda etapa, a seleção brasileira fez outros 36 gols.

Dos 40 minutos disputados no jogo, em apenas dois deles os atletas deixaram de marcar gols: aos sete do primeiro tempo e aos dois do segundo.

A diferença exagerada tem explicação. O time do Brasil era formado por craques que atuavam no país e exterior. Já o Timor Leste possuía uma equipe de jogadores amadores, que praticavam o futsal por diversão e tiveram uma oportunidade de competir com seleções renomadas.

Apesar do placar, a equipe perdedora não efetuou faltas e nenhum jogador foi advertido com cartões. Desta forma, o jogo teve um clima amistoso do início ao fim. A Seleção Brasileira de Futsal disputou a final dos Jogos da Lusofonia de 2006 contra Portugal e se consagrou campeã.

Gols do jogo histórico
Brasil: Valdin (20 gols), Márcio (16), Dimas (13), Tostão (8), Wilde (5), Ari (5), Carlinhos (3), Marinho (3), Jonas (1) e Leco (1). Timor Leste: Romário (gol contra)

Recorde anterior
Antes de massacrar em quadra o Timor Leste, a maior goleada do Brasil era de 38 a 3 contra o Uruguai, pelo Campeonato Pan-Americano, no ano de 1991.

CIÇO: UMA DÉCADA DE HISTÓRIAS NA LIGA NACIONAL DE FUTSAL


A experiência de um fixo em quadra pode fazer muita diferença para uma equipe que pretende alcançar grandes objetivos e é assim que a história de Jefferson Rodrigues de Brito, o CIÇO, vem se escrevendo nos últimos anos. Foram oito ligas disputadas, sete semifinais e ele chegou em seis decisões, sendo quatro delas pela mesma equipe, além de três títulos conquistados.

Essa história começa em 2000 quando Ciço vestia a camisa da grande equipe GM/Chevrolet que chegava as semifinais diante do inesquecível Atlético Mineiro e acabaram derrotados.

“Fico feliz em ter participado de todas essas edições da Liga Nacional e com histórias alegres e tristes. Esse ano foi um dos mais inesquecíveis pra mim pois naquela ocasião a equipe classificou em oitavo lugar e conseguimos avançar até a semifinal”, disse.

Em 2001 foi o ano que Ciço estava na ULBRA e chegava na primeira final da LNF. Infelizmente por mais um ano a derrota veio e foi para o Carlos Barbosa.
Em 2002, pelo Banespa, a equipe não conseguiu nenhuma classificação expressiva.
Em 2003 veio o primeiro título e o primeiro como sempre é marcante. Novamente com a camisa da ULBRA, aconteceu a revanche e o caneco garantido em cima do Carlos Barbosa.

Depois disso Ciço acabou se transferindo para o futsal internacional onde teve passagens por Portugal, Espanha e Irã e conquistou diversos títulos importantes em sua carreira como a Copa da Espanha, a Liga Espanhola e o Mundial de Clubes. Foi também destaque como melhor jogador e artilheiro.

De volta ao Brasil, uma nova história começava a se escrever no interior de São Paulo, na pequena cidade de Orlândia. Foram quatro anos seguidos chegando as decisões da LNF: 2012, 2013, 2014 e 2015. Dois títulos (2012 – 2013) e dois vices (2014 – 2015).

“Quatro anos chegando nas finais da Liga Nacional é uma marca muito difícil, ainda mais quatro vezes consecutivas. Fico feliz por ter isso na minha carreira, mesmo que não ganhamos todas elas, pois consegui conquistar grandes objetivos junto aos companheiros de equipe e fico mais feliz ainda em ter sido o único. É uma marca pessoal muito legal que mais pra frente, quando eu terminar minha carreira, terei orgulho da dimensão que tudo isso significou”, comentou.

Em 2016, Ciço chega a mais uma LNF e vestindo pela primeira vez a camisa do Supermercados BH/Minas. A estreia da equipe mineira está programada para o dia 14 de Abril, em casa, diante da Assoeva (RS). Sobre esse novo momento de sua carreira, o fixo sabe bem o que precisa fazer.

“Sempre quando mudamos de time esperamos o melhor e poder fazer o que vinha fazendo, mas ainda vou na contramão disso pois queremos fazer um grande ano já que o Minas não se classifica as fases decisivas há alguns anos. Como foi formado um time competitivo, temos que ser competitivos e brigar para avançar às fases decisivas. Se isso vai acontecer mesmo? Vamos saber a postura do time nos primeiros jogos da competição”, finalizou.

Fonte: Tamiris Dinamarco / Fotos: Gilberto Santos/ Luccas Salles

Proxima  → Página inicial